sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Como um Programa Pensa




Eu comprei uma das revistas científicas “ Viver mente&cérebro “ mais ou menos no ano de 2005 , e li uma reportagem sobre o pensamento de Matthew L. Ginsberg ( Criador do programa para Bridge chamado GIB ) onde se falava sobre programas de computadores , mais especificamente aqueles que desenvolvem para jogar jogos de tabuleiros de maneira eficaz , (como Wzebra e Forest, apesar de não terem falado sobre eles exatamente) dando preferência para o Logistello quando o assunto foi o Othello . Então achei interessante a forma bem acadêmica como todo o assunto foi abordado , e entendi de uma forma definitiva como é quase impossível ao menos no Othello um ser humano ganhar de um programa em nível avançado . Vejamos ...


Nessa foto ai em cima que eu tirei do gráfico ilustrado pela revista mostra como os computadores calculam uma jogada , lembrando que a revista também abordou os programas para Xadrez , Gamão , Damas , Bridge , Go e outros ... E explica que jogos como o Othello e com exceção de alguns, é um jogo que os computadores têm mais facilidade de desempenhar pela sua estrutura de fácil entendimento pelas máquinas, pois as próprias executam esses cálculos de maneira serial , não que humanos também não possam usar um raciocínio serial por que de fato pode , mais nunca da mesma maneira que a máquina faz ... Mais como assim serial ?

Serial porque as máquinas conseguem trabalhar nele de forma bem eficaz utilizando o modo de busca , ao contrário do ser humano que utiliza um método chamado de “ Pattern – matching “ o mesmo principio inato do ser humano de reconhecer a foto de uma mesma pessoa em ângulos diferentes. No Othello esse método se baseia em histórico de jogadas , tais como o rosto e todo o aspecto físico de uma pessoa pode ficar gravadas em nosso cérebro quando um bom jogador olha ligeiramente para o tabuleiro com um jogo em andamento ele logo pensa em qual seria o melhor movimento para aquela jogada devido as gravações cerebrais que coletamos durante toda nossa vida jogando o tal jogo , isso por que o seu cérebro automaticamente buscou informações e desenhos de jogos anteriores para saber qual seria mais similar ao jogo no momento, e com isso, saber qual seria a melhor jogada . E esse método em si no jogo Othello contra um programa avançado seria quase inútil .

As máquinas pensam da seguinte forma: vamos supor que nessa foto tanto Humano e Máquina estejam lá no quadrado ( A ) , logo o ser humano para decifrar qual seria o melhor movimento, calcula os 3 pontos abaixo ( B ) ( C ) ( D ) e suas variantes , ou seja toda a árvore até em baixo em cada opção . Já os programas com seu método serial “ Poda Alfa-Beta “ percebendo que pode ganhar o jogo jogando no ponto ( C ) não precisa se preocupar mais com os pontos restantes e suas variantes e se foca só em um deles ...





Em outros jogos como o Go os humanos levam vantagens por que é muita coisa para se calcular e o que conta é o “ Pattern – matching “ dos humanos , no Xadres tem um pouco de cada coisa e por isso é mais equilibrado humanos Vs máquinas , já tanto no Othello como em Damas não há dúvidas , os humanos não são pareis para as máquinas


” As máquinas também levam muita vantagem no otelo ( Othello ) , jogo difícil para humanos : é quase impossível dizer , após o rápido exame de uma jogada , quem está ganhando , A face das peças se altera com tanta frequência que a preponderância de peças de uma cor no meio do jogo não significa de fato uma vantagem . Em outras palavras , o Otelo é um jogo complicado para o método pattern – matching , mas é perfeitamente acessível aos procedimentos de busca das máquinas . Portanto , as máquinas levam a melhor “ Matthew L. Ginsberg


Então para ninguém ficar achando que logo após o Computador Deep Blue da IBM derrotar o até então campeão mundial de Xadres Garry Kasparov em maio de 1997 ( Eu me lembro desse dia ... =] ) as máquinas chegaram para destruir o mundo igual o filme O Exterminador do Futuro destaca, ele realçou uma observação importante :


” Pelo menos por enquanto , os humanos são melhores na solução de problemas paralelos e as máquinas têm desempenho superior em problemas seriais .
E não há nada de surpreendente ou de ameaçador nisso : projetamos máquinas para atingir resultados que não somos capazes de alcançar , como aeronaves para voar ou empilhadeiras para carregar objetos que não conseguimos mover . E não precisamos confrontar humanos e empilhadeiras em um torneio de levantamento de peso .

Assim , máquinas inteligentes são nossas colaboradoras , e não nossas rivais . As capacidades complementares de humanos e máquinas permitem a solução de problemas que nenhum dos dois resolveriam sozinhos . E essa é uma boa notícia para todos nós , feitos de carbono ou silício . “ Matthew L.Ginsberg

4 comentários:

Anônimo disse...

Eu concordo com vc até certo ponto que realmente os programas colaboram mto para jogar otelho,tem grandes e poucos jogadores,eu por exemplo tenho o wzebra no meu pc pra aprender com ele e treinar..so n concordo da forma que algumas pessoas usam programas para subestimar o adversário isso sempre axei desonesto e injusto n axo legal n..mas com certeza os programas ajudam a quem quer aprender a jogar otello ..bjus

Reversista disse...

Sim , existem muitas práticas desonestas associadas ao uso do programa em lugar da mente . Mais por exemplo é de certa forma quase impossível um jogador usar um programa pra ganhar pontos no PlayOk , lá quando se clica fora da janelinha de jogo , o seu nick muda de cor ficando meio desbotado , então lá ao menos é complicado se trapacear dessa forma , pelo menos o programa e o site estando sendo executado na mesma máquina .


Mais também existem sites como o Flyordie , por exemplo , onde não existe de uma forma eficaz a censura dessa prática . O que existe é um aviso sobre quem pode estar usando o programa , a famosa exclamaçãozinha vermelha , mais já vi jogadores que tenho certeza de jogarem honestamente com uma daquelas exposta no seu nick , eu me lembro uma vez de um jogador Inglês muito bom , que já ganhou títulos em torneios da vida real ir jogar e quando acabar a partida aparecer o sinalzinho de alerta de programa , e vi quando ele digitou assim : “ Agora eu fiquei chateado “ e se foi ... e demorou a voltar no Flyordie de novo , de fato eu senti sinceridade nele , não creio que ele tenha usado o programa para se beneficiar , ele não precisava disso . E ao contrário disso já vi gente que usa e nunca apareceu nada de exclamaçãozinha ... ou seja , é complicado saber a não ser que você tenha um nível avançado para saber diferenciar uma coisa da outra .


Mais é igual ao que você disse , o programa é bom se você saber usar e usa-lo para aperfeiçoar sua técnica , eu mesmo faço isso , aprendi muito com o programa , e creio que essa seja a melhor forma de poder usa-lo ...


Abraços

Vitor disse...

eu não me incomodo tanto com pessoas que trapaceiam com o programa Wzebra ...o unico beneficio que nós obtemos jogando é o aperfeiçoamento de nossas habilidades , os pontos de ranking como no playok são apenas ilustrativos , ja que não definem o nivel do usuario ... um bom jogador pode estar com seu ranking baixo porque jogou algumas partidas contra um oponente um pouco mais experiente

então , seja derrota ou vitoria a unica coisa que levamos do jogo é a experiencia nele obtido...

Fabrício disse...

Sim , por esse ponto de vista jogar contra um programeiro pode não ser assim tão ruim , mas levando em consideração a arrogância e a auto-suficiência cínica e desprovida de vergonha de alguns desses sujeitos , que se não soubemos que estamos jogando contra um programa acabamos por nos sentir uns retardado sem noção no jogo , que não sabe jogar , é sim de se ficar nervoso .

Mas , isso existe , o legal é saber contra quem estamos jogando ...

Abraços Vitor